DIÁRIO VIRTUAL - Por Lilian Guimarães

quarta-feira, janeiro 31, 2007 · 2 comentários

Diário virtual é o significado da palavra “blog”, o qual registra desejos, anseios, ações significativas ou não, paixões, críticas, enfim, é o “olho mágico” de alguém, que faz participar a outras pessoas algo da necessidade humana, através da tecnologia moderna.
Opiniões e crônicas é um blog que registra criatividade no ato de escrever, por meio da objetividade e de excelente qualidade. O nome da página retrata perfeitamente o conteúdo publicado, pois mostra textos críticos, reflexivos, informativos e literários.
A presença literária está inserida nas crônicas urbanas, gênero predominante no trabalho do autor. Muito interessante a exposição – sincera e transparente – dos fatos observados e vividos citados pelo escritor. Ele demonstra que não se inspira nos autores consagrados da literatura, valorizando sua obra pela originalidade.
Vale a pena saborear cada linha aqui registrada e perceber que “tudo vale a pena, se a alma não é pequena”.








Lílian Guimarães, formada em Letras, é revisora do Opiniões&Crônicas
-
clique no título deste texto para ler um dos textos preferidos da revisora deste blog



NAQUELE MOMENTO

sábado, janeiro 27, 2007 · 0 comentários

Eu precisava escrever naquele momento. Angustiava-me pensar que não o faria depois. Que tantas emoções eu não expressaria. E que momentos peculiares se perderiam para todo o sempre. Será mesmo que se perderiam? Creio que alguns ficariam tatuados em minha alma. O fato é que eu precisava escrever. Dirimir o que sentia. O jeito era tecer parágrafos em minha mente. Todos desconexos. Algo belo havia no ar. Sentia o desejo em escrever um texto como se fosse cinema. Em preto e branco.
Sei que uma ansiedade me tinha. Ela era pequena, mas incomodava. Ali no ônibus eu lia os artigos. A concentração não era perfeita. Reler parágrafos era necessário. A chegada do rapaz. Ajustes no violão. Gaita já preparada. E o início de uma belíssima canção. Abandonei o jornal. Curti aquele belo som de música americana. Ao final da apresentação de uma música só, ele se apresentou. Um desempregado. Da carteira, retirei dois reais e pedi outra música. Ele atendeu-me com enorme satisfação. E mais uma vez minha alma foi agraciada.
Aquela moça que entrou no ônibus. Olhou-me com interesse (ou era carência?). Reparei. A saia preta deixava as pernas de fora. Sentou-se e mais uma olhada. Eu inseguro. Não era interesse meu, era carência mesmo. Uma troca de olhar infeliz. O jeito foi voltar para a leitura. Ao levantar, não correspondi ao seu olhar. Naquele momento eu era sincero comigo. Às vezes erramos no flerte. Fingimos gostar. Resolvi não fingir.
Meu amigo não foi pontual. Não é a primeira vez. Eu ainda tinha assuntos a resolver. Mas sozinho eu era pouco. Precisava de alguém para somar. Queria falar. Ouvir. Rir. Refletir.
Risadas. Vamos ao café. A atendente pareceu olhar com algum interesse para o bom rapaz. Conversávamos. Seu atraso não me importou. Já havíamos cumprido nossas obrigações. Café puro e um lanche de nome diferente. A atendente era atenta ao nosso papo. Negligenciava seu trabalho. E parecia um tanto chateada consigo. Talvez aquele afazer não lhe apetecesse. Diferentemente da loira simpática e aparentemente feliz.
“Final de papo furado”. Após a espera no Terminal, cada um para seu rumo. Troquei olhares com aquelas moças simples. Ousadas no modo de se vestir. A ansiedade volta aos poucos. Sozinho não me basto. Estou no centro da cidade. Vejo uma bela loja de sapatos. Desço ali. Avisto um belo café. Logo irei visitá-lo. Será com este mesmo amigo. Companhia perfeita para um café reflexivo. Na vitrine, a certeza da compra. O problema é o modelo. Descortesmente a porta da loja é fechada. Não me desagrado. Dinheiro economizado. Impulso impedido.
Neste exato momento é que se inicia o desejo de escrever. É ali, dentro da estação de metrô que armo parágrafos. Sinto uma emoção. Invento beleza naquela mulher. A invenção não dura uma estação. Vejo aquela menina bela. Nada leio. Esqueci o jornal no compromisso. Não durmo. A ansiedade diminui. A distância de minha casa também. Era uma tarde de sábado. Fatos que se deram há pouco. E agora me recolho. Fico em casa. Precisamos disto. Ausentar-nos do mundo. Como que para reciclar. Acalmar a alma. Dar um descanso para ela. A vida na metrópole é muito corrida. Melhor fugir do seu ritmo. E assim eu estaciono. E quem sabe eu até goste. O fato é que preciso. Certamente não sou o único. E você?
-
clique no título do texto para ler FILME EM PRETO E BRANCO



NOSOTROS COMO PERSONAJES DE NUESTRAS MENTES

· 0 comentários

Un pensamiento. Nosotros como personajes de nuestras mentes. La variación del humor. El modo diferente de comportamiento. Los cambios.
SI ayer yo estaba calmo y seguro, ahora no soy el mismo. Una inseguridad. Una tensión. La falta de deseo de hablar con las personas. Un simple balcón de farmacia fue difícil. Salir de allí era urgente.
Por estos cambios en el humor que no me quedo con la primera impresión. Son necesarios algunos encuentros. Así, estudiar la persona. Es posible que ella no fuera tan infeliz. Que yo tenga una buena charla.
Pero, hay circunstancias. A veces necesitamos que la primera palabra sea buena. Que una impresión sea la mejor posible. Por el contrario, la persona se va. Sé que no es posible gustar de todos. Lo contrario también. Hay personas que no se soportan. Sólo no sé si alguna patología hay involucrada en esto. Creo que sí. Pero, lleno de dudas.
Sé que ahora no quiero comunicarme. Estoy cerrado. Hermético. No miro a las personas. Quedome conmigo. Acá. En este tren lleno. No ver es mi deseo… Estoy triste? No. No es esto. Creo que el día será divertido (¡y fué!). La cuestión es con los desconocidos. No los quiero. Sólo esto. ¡Nada más!

-

Clique no título deste texto e você irá para uma sugestão de leitura



RECUERDOS E DESEOS

sexta-feira, janeiro 26, 2007 · 1 comentários

El hombre. La mujer
El coge el celular. Hace otra lectura de aquel mensaje. Hay emociones en el. El hombre piensa en la mujer. E preguntase se ella hace lo mismo. No hay como saber. Pero, sabe que la posibilidad es grande. Los dos piensan mucho un no otro.
La vida é un tablero de ajedrez. A las veces hay jugadas complicadas. Entonces, no es posible avanzar una pieza. Hay certidumbre de las intenciones. Pero, el tablero está lleno de obstáculos. Esperar es obligación. A las veces las esperas son en vano.
Vean la ironía del facto. El hombre desea mucho la mujer. Tiene sentimientos por ella. Hay reciprocidad. Pero, no pueden quedaren se juntos. Sólo hay encuentros llenos de límites. El placer es grande. La expresión del cariño es una constante...
El hombre. La ironía. Quiere mucho la mujer. Pero hace busca por otra. Sigue errante. La mujer lo entiende. Y sabe que cuando el encontrar otra mujer será doloroso. Así sigue esta historia que parece a un cine.
La mujer lo encanta. Su olor lo domina. Las hormonas del hombre las pide. Las confesiones de algunos sentimientos son sinceras. Algunas llenan los ojos de la mujer.
El hombre salió por la noche. Fue en un bar con mujeres maduras. Había jóvenes también. Ninguna mujer lo encantaba. A el les parecían vacías. Algunas veces cerraba sus ojos. Oía la música. Hacía recuerdos de la mujer. El último encuentro entre ellos...
Su noche en el bar no fue buena. Hizo tentativas. Hablo con algunas mujeres. Una de ellas muy bela. Pero, nada hube que un papo fugaz.
La mujer. Su corazón en dolores. Deseó que el hombre tuviera una buena noche. Que encontrase alguien. Pero que se protegiera de los peligros de las noches en San Pablo.
Para el hombre, aquellas mujeres no significaban mucho. La soma de ellas seria un vacío constante en el. Así, prefirió quedarse con las canciones y la compañía de su bueno amigo.
En el café. El papo con su amigo. Mujeres. Amistades. Bueno humor. Ocultación de hechos. Sinceridad en la amistad. Tempero necesario para la vida. Después, cada uno hacía su destino. Sus recuerdos. Sus ansias. Sus almas. Sus necesidades de amor. Y el hombre con la mujer. Recuerdos y deseos…
-
Clique no título deste texto e irá para outro texto sobre El hombre y la mujer



FRUSTRACIÓN EN LAS PAREJAS

terça-feira, janeiro 23, 2007 · 2 comentários

Mi alma. El deseo de decir. Pero, la incertidumbre. Hay algo. Un incomodo. Una angustia. La tentativa de entender. Hace falta alguna emocione. Yo sé lo que es. Así creo…
Recuerdo me de mujeres que hablé. El uso de la tecnología. Conversaciones virtuales. La verificación que hay tanta carencia.
Una mujer. Descrédito por los hombres. La idealización que le parece imposible. Lo que ella desea existe. Podrá encontrar. O no…
Otra mujer en especial. No la vi. Sé que es bien sucedida. Dije me ser muy bela. Que llama la atención de muchos hombres. Una mujer ávida por mucho cariño. Amor y mucha verdad en los sentimientos. Sufre con el matrimonio. Su marido no la trata con romance. No la hace una reina, como a ella le gustaría. La pregunta no tengo certidumbre se ya la hice. ¿Por que no pide la separación?
La última ablación con la mujer del parágrafo arriba. La dije que necesita de mucho cariño. Que la carencia la consomé. Ella confirmó. E de tan sensibilizada por su sufrimiento, fue acostarse en pleno inicio de la tarde de aquel domingo. Dejó me palabras antes de irse. Fue cariñosa. No importa lo que me dije. Sé que me sensibilized. Y ahora escribo…
Lo que dije es una ilustración. Hay mucha frustración por el mondo. Parejas infelices. Hombres e mujeres insatisfechas. Gran parte no separase. Los motivos son muchos. Niños los principales. El miedo, también, ciertamente.
Sexo. Mujeres frustradas. Hombres que hacen busca por prostitutas. A las veces porque su mujer le resiste una posición en la alcoba. El hombre debía saberlo antes de casarse. Ocurre lo contrário también. Mujeres que son volcanes apagados. Que sus parejas no quieren poner en acción.
Lo que dijo no es novedad. En mis conversaciones con dos prostitutas, algunos relatos. Hay hombres que las tienen como psicólogas. Desahogan con ellas. Si, hay mujeres de veras carente y frustradas, con los hombres nos es diferente. Ocurre que las mujeres difícilmente procuran servicios profesionales del sexo. Probablemente por un cuestión de comportamiento. También porque las mujeres son más sentimentales.
Por supuesto que las traiciones, muchas de ellas, nacen por tanta carencia. Esto seria inevitable. Pero, tengo uno ejemplo. Un hombre carente. No tiene más coraje de traicionar su mujer. E esto por su gran amor por ella. El no se queda totalmente satisfecho sexualmente. Relata que hube una conversación. Hube una mejora. Este hombre tiene mucho asedio sexual. Hay mucha energía en él. Pero, como me habló, prefiere el cariño de su mujer. Hay otro ejemplo. La misma situación. Ciertamente, apenas dos ejemplos entre tantos.
Las preguntas. ¿El casamiento es un cebo*? ¿Y las parejas felices? ¿Es posible que sea solo error en las escojas? ¿Será que hay personas que no pueden casarse?
Creo que hay escojas erradas. E son muchas. Que el matrimonio no es para todos. Que muchos casan por convenciones. Que aún hay mucha represión sexual. Y que hombre e mujeres, muchos, seguirán carentes. Y, principalmente, matrimonio es una decisión delicada. Y que encontrar la persona ideal ciertamente es muy difícil. Frustrarse es casi cierto. La certeza es una. Conocerse. Amarse. Solo así para tener más posibilidad de felicidad en el amor. ¡Es esto!
*cebo: engodo
-
Clique no título deste texto e irá para uma sugestão de leitura



OUVIDOS PARA ELA

domingo, janeiro 21, 2007 · 0 comentários

Narrar um fato implica em um primeiro problema: o ponto de partida. Também há a sonegação de detalhes. Daí, algo pitoresco pode ser esquecido. São as falhas inevitáveis da memória. Assim mesmo, relatar o que ficou registrado é de muita valia. É a expressão da alma. Absorve o significativo para ela.
Um bar. Imaginá-lo repleto de plantas e flores é bastante improvável. O lago com peixes também não seria comum. São mesas em meio a uma floresta. A idéia de enormidade no espaço logo nos domina.
Fila para entrar. A revista. O segurança ri da piada, fato inesperado. Todos liberados. Agora é caminhar sobre a madeira. Ir ao encontro do aniversariante. Ele está em alguma mesa em meio aquele verde todo.
Muitas mulheres. Mas não troco olhares. Há dias de maior segurança para mim. Estou com amigos e amigas. Descontração. Finalmente, encontramos o dono da festa. O local está cheio. Mas há espaço. Há conforto.
Queremos beber. Uma bebida com pouca vodka para mim. Nada a mais de álcool. E já foi o suficiente para produzir alterações no humor..
Todos seguem impressionados com a beleza do ambiente. A temperatura aumenta, embora haja tanto verde. Há uma pista de dança. Só ali há música. Sinto falta de uma banda ao vivo. Não sou o único.
Amigos. Dois casais. Elas capricharam no visual. Uma delas causa-me admiração. Seu namorado segue estonteado. Um exemplo do poder feminino. Elas têm o domínio. Basta saber usar.
Ao ver a amiga tão exuberante, um pensamento. Alguns homens ficam indignados ao ver um “oponente” com uma bela figura feminina ao lado. É o ego falando. Queria estar com ela. Artimanhas da natureza masculina.
Três loiras chegam. O bom papo leva meu sono embora. Mas não completamente. A simpática conta seu drama. Relata o namoro rompido. A perda inconformada. A incerteza da reparação.
Seguimos ouvindo a história. Ela pede uma opinião minha. Não é possível opinar sem ter com a outra parte. Seria preciso ver. Sentir. E aí depreender. Sei que um belo namoro está em pause. Quem sabe um novo start. A incerteza está lançada.
É noite de relatos amorosos. Outra jovem com algo para contar. Namorou longos cinco anos. Demorou a perceber o que era tempo perdido. Após uma pausa, o rompimento definitivo. A seqüência de inconformidades do ex-namorado. Para nós alguns homens os dias se turvam ao perdermos uma mulher fascinante e singular.
Dinâmica de um bate papo. O grupo se dispersa. Grupos menores são formados. Duplas, por exemplo. Eu passei a ouvir aquela jovem e bela universitária. Embora fosse nova, expressava maturidade. Trazia também uma melancolia que a fazia ainda mais bonita.
Os olhos verdes seguiam neutros. Neles, um mistério gostoso. Eu a ouvia. Dizia. Observava. Um elogio sincero às suas mãos não tardou. Jamais havia reparado. É assim. Temos qualidades e não percebemos. O mesmo ocorre com os defeitos.
O fato é que eu estava encantado. E num elogio mais incisivo, mudou a cor. Gostou, mas não podia me olhar. Sorriu seu charme. Agradeceu. Confessou. Há muito não sabia o que era isto.
Uma mulher que se sente um tanto invisível. Na verdade, uma distorção. Certamente é muito observada. Faltam apenas aproximações. Há um motivo. Fase de reflexão. Reencontrar-se. O longo namoro a fez ficar em dúvida
Indaguei muito. Talvez investigasse a alma dela. Aquela beleza toda era insuficiente. Queria o que não via...
O ser humano é cheio de detalhes. Segredos. Dificuldades. Felicidades. Infelicidades. Investigava suas infelicidades. Era um modo de descobri-la. Um aprofundamento nela. Comprovar a minha percepção.
O vermelho das unhas. Ficou lisonjeada. Denotou vaidade. Agraciou-se com elogios verdadeiros. Encantado, queria ir além...
Observei. Toquei as mãos. Braços. Olhei. Falei com os olhos. O mistério dela. As incertezas que me dava. Tudo aquilo me encantava...
Expressei. Disse o quanto a sentia especial. Confessei agrado pelo seu jeito. Isso é decisivo. O modo como a pessoa se mostra pra gente. Nisto, ganham aqueles que têm naturalidade.
O plano das incertezas não mudava. Quis entender o que significava conhecê-la melhor. O que seria isto de fato. Vê-la novamente. Um café. Mas dela não gosta. Isto não seria possível. Risadas...
A jovem se esmerou na sinceridade. Seguia tranqüila. Um cigarro ou outro. A promessa dos números. A incerteza em digitá-los depois daquela noite seria a novidade.
O bar praticamente vazio. Um café antes de ir embora. A fila para pagar. O problema com o sistema bancário. Cantores de fila. Um show à parte. Atenções conseguidas. Incômodos. Lá na fila, o nosso anfitrião. O excesso de cerveja não lhe fez bem. A esposa teria que cuidar dele. Era o fim da balada. Segui meu rumo com um casal de amigos. A bela moça se foi com suas amigas. No carro, bom humor e tranqüilidade. A falta que faz uma direção hidráulica. Um acidente parecia iminente. Mas não veio. Na estação mais próxima, eu fiquei. Para casa, eu fui. Sozinho, com sono e tranqüilo...
-
clique no título deste texto para uma sugestão de leitura



LAS COSAS COMO SON

· 0 comentários

El hombre. La mujer
El hombre. La mujer. Un gran cariño. Atracción muy fuerte. El uso de la razón. Si no será posible quedarense juntos, entonces que se quedan sólo con cariño… Esto fue escrito antes del último encuentro entre ellos…
La vida trae personas. No las esperamos. En esto hay algo de muy belo. ¿Quién son las personas que viran? También aquellas que ya se fueran. Los recuerdos se fueran. Los sentimientos también…
Así sigue la vida. Pensemos en nuestras vidas. ¡Qué bello es esto! Una manera de pensar que torna la vida mejor. Porque a las veces queremos mucho más con una persona. Pero, las circunstancias no permiten. Y entonces preguntamonos por que tal persona no apareció antes. Pero, la belleza está en esto. En la imperfección. En la imposibilidad de hacermos una intervención. Las cosas son como deben ser. Adelante es que vamos entender. O entonces olvidar. La razón, las personas…
-
Clique no título deste texto e irá para um outro com contexto parecido



É PRECISO ADAPTAR A ALMA

· 0 comentários

Houve uma época. Eu condenava a cara amarrada. Aquele mau-humor não era bem recebido por mim. O tempo passou. Eu mudei. Sei que já falei sobre este assunto. Mas o mau-humor se repete. Assuntos também.
Eu e meu amigo. O atendimento infeliz daquela nissei. Claro que amaríamos a mesma simpatia da atendente anterior. O jeito era se adaptar.
Brincávamos com a situação. Ironizei dizendo que o mundo é vazio. Que compreendia a infelicidade dela. Rimos sem maldade...
Ela retornou da busca por papéis. Aos poucos foi se tornando mais afável. Demonstrava bom treinamento no seguimento daquela burocracia toda.
Olhei suas mãos. A pele do rosto. Busquei alguma felicidade no olhar. Era tudo infelicidade...
Confesso que fiquei deslocado. Fui perdendo a vontade de perguntar. Mas eu já estava cansado. A demora havia me combalido. Meu amigo seguia mais solto e natural.
Ela nos atendeu. Não sonegou nenhuma informação. O serviço estava bem feito. Faltou afeto. Faltou brilho. Mas fazer o quê? Ela é um ser humano. E procurou fazer o melhor. Agradecemos o atendimento. Despedimo-nos com simpatia. E ela sorriu toda a sua infelicidade. O mundo faz isto com algumas pessoas. Mas fica a questão se é possível contornar as agruras da realidade. Deixo a minha opinião. Não há dúvidas que sim. É buscar o caminho da felicidade. Muitos caminhos que são vendidos, não passam de balela. É preciso adaptar a alma. É isto.
-

Abaixo, o final original do texto. E o título então seria: AMEMOS!
-
Termino com a correção de um pensamento machista. Diz que a mulher só é feliz quando está amando. Ou sendo amada. Como disse aquela simpática atendente daquele café boa praça, a mulher só é feliz quando está se amando. Perfeito! E assim é tanto para homens como para mulheres. De fato, é preciso se amar para estar feliz. Mas fundamental também é o amor alheio. Não é possível viver numa ilha de amor próprio sem amar o alheio. Enfim, nada no mundo é mais importante que o amor. Amemos!
-
clique no título deste texto e irá para uma sugestão de leitura neste mesmo blog



LEVEZA DAS ALMAS

segunda-feira, janeiro 15, 2007 · 0 comentários

Antes de iniciar, a dúvida em como fazê-lo. O olhar para as mãos. São elas que farão a parte mecânica da construção dos parágrafos. De qualquer forma, o olhar deve ser para dentro. Os textos vêm de lá...
Paulista. Eu e ela. A camiseta encolhida, o desconforto. A escolha da mesa. O pedido errado. O iniciar de um papo. Incertezas no ar. O que queremos um do outro?
Abrir-se. Dizer a verdade. Isso alivia a alma. E assim o foi. Quando ficou claro o que queríamos, a mesa se tornou alegre. E o papo ficou solto. As risadas livres. As almas leves...
Curioso. Após saber que ela não me queria como namorado, passei a desejá-la. Uma negativa que me fez desejar permissões. Foi aí que o caminho para a sedução foi traçado. E na troca inteligente, um beijo. Contas pagas, um café em outro lugar.
O caminhar descontraído. A leveza das almas. Beijos. Trocas de palavras. Bom humor. Caminhar abraçados.
O ser humano é isso. Necessita do outro. E é bom quando as presenças resultam em algo positivo. Aí a sensação de felicidade se faz presente. E é possível sentir as belezas humanas sem esquecer o mundo.
É hora de ir para casa. Ela para um extremo, eu para outro. Distância metropolitana. O ônibus chega rapidamente. Um abraço rápido e um beijo mais rápido ainda. Caminho para a estação. Uma ansiedade me assalta. Chegar a casa é desejo forte. Terminar este texto de forma interessante é bastante improvável. Na incerteza de como fazê-lo, apenas anuncio. Este parágrafo não segue mais. Termina.
-
clique no título deste texto para uma outra leitura



UMA NOITE NO CENTRO VELHO DE SÃO PAULO

sexta-feira, janeiro 12, 2007 · 1 comentários

Centro velho de São Paulo. Onde se diz que tudo acontece. Ali eu seguia passos errantes. Tencionava emoções... Tencionava parágrafos... Poesias... Flertes... Não passava de intenções...
Era uma visita. Busca por diversão. Mas a intenção maior de um texto. Olhos observadores. Antes de cair no coração central de São Paulo, uma passagem pela Augusta. Prostitutas. Jovens alcoolizados. Carros exibidos. E uma noite quente e convidativa.
Ali o mundo parecia desconexo. Nas noites vejo o quanto as pessoas querem livrar-se dos outros. Cada um por si. A busca pelo prazer. Seja na bebida, nas conversas, no sexo... Para alguns, outras formas mais radicais.
Um ônibus rumo ao centro velho. Um belo lugar. Em algumas ruas, ausência de fios e postes. A iluminação amarela dá um toque nostálgico. E o que se tem ali é a mistura de tribos. Travestis. Prostitutas. Rapazes que se entregam para homens por alguma quantia. Traficantes. Vendedores ambulantes de comida. Taxistas. Moradores de rua. E os consumidores de tudo que foi dito. Classe média, pobres ou ricos. Há os miseráveis também. Eles dormem...
Ali não é um lugar acolhedor. Não há bons sentimentos no ar. É estranho. Sigo absolutamente desconfiado. Aliás, desconfiança é a palavra perfeita para a região.
O cansaço me abate. Já havia tomado um café com o amigo no famoso Copan. Mas resolvo abandonar a idéia da balada. Estou cansado e um tanto melancólico. Sou acompanhado até o ponto de ônibus.
Não olho o relógio do celular. Mas sei que já são pouco mais de 2h da manhã. Um ônibus é algo praticamente impossível. Permaneço ali por longo tempo. A ansiedade me acompanha. Mas não quero ir embora. Não estou satisfeito. Acho que é carência...
Pouco mais de 3h. Desisto do ônibus. Um hotel para dormir é idéia que me vem. Um táxi. Sei que inicio uma caminhada solitária. Na esquina mais próxima, um grupo de garotas de programa. Estão ali desde que eu chegara ao ponto de ônibus. Subo uma rua agradável. Dou de cara com uma famosa casa de shows eróticos da capital. Não sei ao certo o que fazer. Estou em pleno centro. Diversos prédios. Algumas árvores. Limpeza. E até a ilusão de segurança.
Adentro a uma casa noturna. Ambiente lotado. Música dançante. Mulheres exibindo seus corpos. Há algumas que até são belas. Um ambiente vazio. É a soma de almas vazias. Adentro sem simpatia. Meu humor não está bom. Pago o valor da entrada e logo busco um sofá. Permaneço observando por algum tempo. Nenhuma garota de programa me aborda. De fato, minha feição é pouco convidativa.
Uma bela morena senta-se no sofá do lado. Após um gemido em uma das cabines que atendem os clientes, ela olha para mim e diz algo. Sua simpatia me encanta. Puxo assunto. Ela senta-se no meu sofá. Surpreendo-me com seu semblante. Há algo de muito agradável nele. E logo inicio uma entrevista.
Monisi. É este o nome que ela me fornece. Eu pergunto o que eu poderia fazer com seu nome verdadeiro. Ela se ri. Demonstra humor refinado e inteligência. Eu me encanto com sua beleza e classe. E logo fico surpreendido com suas revelações.
Monisi revela desprezo por aquele ambiente. Não gosta como os homens vêem as garotas. Acha ridículo bolinar o cliente atrás de seu dinheiro. De fato, ela não faz isto comigo. Em momento algum propõem um programa, que não sairia por menos de 175 reais.
Sou muito atencioso com ela. Bom papo. Risadas. Alguém que eu desejaria a amizade. Ela pede para que anote seu celular. Revelo que produzirei um texto. E deixo claro meu desejo de tê-la como leitora, ao menos deste texto.
Revelo meu encanto por ela. Uma companhia muito agradável. Toda a minha tensão se fora. Até o momento em que Monisi revela que vai ao toalete. A promessa de voltar não foi cumprida. Fico ali por mais um tempo. Observo. Vejo homens vazios, muito vazios... Estranho ver alguém flertar com uma garota de programa... É o jogo da encenação... Ambos se enganam... Ambos não se gostam...
Tenho direito a um drink. Uma bebida sem álcool antes de ir embora. São exatamente 4h. Surpreendentemente, o metrô ainda não abriu. Haveria ainda uma espera de 40min. O que daria outro texto. Voltar para a casa era meu único objetivo. O cansaço me tinha. A idéia de um texto também. Antes de fechar os olhos no banco do metrô, lembro-me de dizer que Monisi procura emprego. Já trabalhou em uma loja. Já foi caixa. Deixo claro à ela que dificilmente vai ter uma renda como a que tem hoje. Espero que ela consiga emprego. E que mantenha sua alma refinada. Outro homem vai se apaixonar por ela. E que desta vez não seja casado. Creio que já durmo...
----
Sugestão de leitura: clique no título deste texto.



ELE GASTA MAIS PARA ROMPER DO QUE PARA CONQUISTAR

quinta-feira, janeiro 11, 2007 · 2 comentários

J. G. é amigo de todos. Um grande exemplo de diplomacia verdadeira. Um amigo que se pode confiar. Alguém que conquistou muitos corações. Falo especialmente de amizades.
Mas todos temos defeitos. J.G. tem um que é grave. Não saber dizer “não”. Por isso, vive à beira de prejuízos ou erros amorosos.
O fato é que J. G. é um caso à parte. Gasta mais com rompimentos do que com conquistas. Há o caso, por exemplo, da moça que lhe pediu um perfume. J. G. já havia passeado pelo corpo da jovem negra em uma noite metropolitana. Motel e táxi, foram estes seus gastos. O perfume pedido tinha que ser importado. “Ela não é mulher de usar perfume nacional”. E gosta dos mais caros. J. G. se assusta. Tivera a certeza de que fosse um daqui de sua terra. Talvez estivesse até disposto a comprar um para a moça. Vê-se que ele até sabe dizer “não”. Mas deixa sempre a porta aberta para um “sim”. As que percebem aproveitam.
Eis que a moça do perfume pediu-lhe dinheiro para fazer compras. Não sei o valor do pedido original. O fato é que J.G. não conseguiu negar-lhe ao menos 50 reais. E fez isto lançando mão de um empréstimo entre amigos. E confessou ao emprestador que este não ficaria a ver navios. Que era um risco seu. E que precisava fazer isto para se livrar da moça cheia de pedidos.
Pouco tempo passou, a moça telefonou para J.G. Ela percebera na noite de amor que ele ficara louco por seu corpo. E talvez usasse disto para convencê-lo a lhe dar mais dinheiro. Pediu-lhe mais uma quantia para comprar algo para sua criança. Talvez fossem fraldas. Desta vez, já tendo livrado sua alma de arrependimentos ligados ao egoísmo, em função da liberação daqueles 50 reais, J.G. negou prontamente. E a lembrou de que fizera um empréstimo com um amigo para atendê-la no primeiro pedido. Foi este o último telefonema da moça.
Fazendo as contas, é possível que J.G. não tenha tido tanto prejuízo. Parece que ele gastou não mais que 15 reais com táxi e algo em torno de 45 reais com o hotel. Foi a noite em que levou a moça de tantos pedidos para a cama. Lá, ele se deliciou. E com palavras demonstrou sua admiração por aquele corpo que o atraía. Para romper com a moça, despendeu exatos 50 reais. Que talvez ainda sejam devidos ao seu bom amigo.
J.G. segue solteiro. Sempre à caça, ele faz reservas monetárias. Se estas não lhe bastam, faz empréstimos. Honesto, não deixa de honrar suas dívidas. Seu defeito é não saber dizer “não”. E para romper, precisa ir com a consciência livre. E algum prejuízo.
obs: J.G. alegou após este texto que gastou mais para conquistar a garota do que para romper, sendo assim, o melhor título seria: ELE GASTA TANTO PARA CONQUISTAR QUANTO PARA ROMPER; de qualquer forma, já houve mulheres com as quais ele gastou mais para romper do que para conquistar.
-----
clique no título deste texto e terá outra história sobre um outro personagem pitoresco



PALAVRAS SE AUSENTAM...

sexta-feira, janeiro 05, 2007 · 0 comentários

Não usarei algumas palavras. Orientação de minha revisora. Pode ser que ela esteja arrumando briga com vocês. Mas é que a profissional aconselha menos repetições. Tais palavras podem ficar “manjadas”. O que depreciaria este blog.
E o que faço com estas palavras? Bom, aqui nesta composição elas não estarão. É possível que alguns de vocês estejam curiosos. Os mais investigativos pode ser que procurem tais palavras nas publicações anteriroes. Um grupo menor vai encontrá-las. Há a possibilidade de que ninguém se dê ao trabalho de tal pesquisa. É isto o mais provável.
Destas palavras há duas que gosto muito. A própria revisora encantou-se com o modo como usei uma delas. E lembro-me de uma leitora que também demonstrou encanto por outro vocábulo. Ora, se são palavras que produziram tão bons efeitos, por que não usá-las? O primeiro parágrafo responde a este questionamento.
Evidentemente que tais termos seguirão sendo usados. Apenas haverá mais cuidado. Menos uso. Buscarei sinônimos. Tentarei os que dêem a mesma beleza ao que for escrito. E procurarei construir frases com a mesma qualidade com que seria com as palavras aqui ausentes.
Enfim, palavras se ausentam. São excluídas dos parágrafos agora produzidos. São como vidas que não nasceram. A diferença é que elas estiveram presentes em outros momentos. Agora não é o momento delas. Que saibam esperar. Suas vezes vão chegar. E no momento certo serão escolhidas. Seguirão sendo preteridas em algumas chances. Como na vida. Quando se procura um emprego, por exemplo. É possível até que você fosse a melhor opção. Mas naquele momento o entrevistador resolveu preteri-lo. E não é que ele esteja sempre certo. É como aqui. A palavra escolhida nem sempre é a mais acertada. Mas são necessários que os erros sejam diminutos. Também é assim nas empresas quando da escolha de profissionais. Palavras se ausentam. Profissionais também...



ALMA QUE ME COMANDA

quarta-feira, janeiro 03, 2007 · 0 comentários

Piscina. Ali, uma personagem viva de um texto recente. Seu escândalo no ônibus. Contraste em postura esportista e comportamento alcoolizado. A única frustração para mim seria a dificuldade de produzir um texto com este fato. Eu nadando. Ela dando braçadas. Repertório pequeno. Melhor abandonar esta personagem.
Ali na piscina eu observava. Produzia parágrafos sem correlações. Havia um forte desejo em expressar sentimentos. E havia um pensamento. Não, alguns pensamentos. Um motivo. Uma mulher...
Não falarei da mulher. E não sei por que não o farei. O problema será dizer sobre outro assunto. Pois isto é contrariar a minha alma. É contradizer um preceito. Escrever com a alma.
E agora? Por que esta teimosia? Qual o motivo dessa negação? Falar sobre aquela mulher. Aqueles olhos que vieram à minha mente lá na piscina. Seus olhos felinos. E sua pele. Seu semblante sorridente. Seu modo sensual de sentar-se. E sua ausência...
Ah, esta alma que me comanda! Não queria falar sobre isto. Mas falei. E adianta? Sim, de alguma forma, sim...
Este texto pode ficar um tanto melancólico. Assim eu me sentia em meio àquela água toda. Até procurava uma visão feminina. Sinal de que a carência apertava. Ou então era um modo de tentar aliviar a ausência dela.
Deixei a piscina. Café solitário e pães de queijo. Depois, uma leitura. Ao descer a rampa, a personagem ressurgiu. Enganei-me. Parecia algo belo. E olhei. Seu desprezo foi rápido. A reciprocidade não tardou. Senti-me incomodado. E usei seu escândalo contra ela. Claro, tudo mentalmente.
Li. Não dormi. Esforcei-me para não ser visto por aqueles dois meninos impertinentes. E saí rumo à minha casa. No ponto de ônibus a espera. A troca de olhar com a moça bem decotada. Na verdade, ela buscava olhares. E eu não podia me iludir. Não com seu olhar. Mas com sua beleza. Para trás ficaram piscina, leitura, café, personagem. Comigo foram carência, ansiedade, melancolia e saudades... Dela...



UM ANO DE BLOG

terça-feira, janeiro 02, 2007 · 0 comentários

Desistência por uma crônica
Na tela do cinema, a ilusão de um bom filme. Na catraca, não adiantou pagar a faculdade o ano inteiro. A ausência de um selinho nas carteiras da faculdade nos barrou. Súplicas não adiantaram. Fingir indignação também foi em vão. O que me valeu foi subtrair pipoca alheia. Fome e bom humor eram donos de mim.
Ao final do filme, o desejo pelo dinheiro de volta. Claro, seria a ironia perfeita. Mas nada disso importou. Valeram para nós as boas companhias. Dali, fomos para uma das lojas de café de uma rede já decadente.
Do resto da noite, pouco me lembro. Muito por isso que deverei buscar outro assunto. Quem sabe discorrer sobre o final do ano. Há o risco da chatice. É quase certa a possibilidade. Que fazer então? Vamos ver. O parágrafo seguinte nos dirá.
Quando o assunto não vem, há uma saída. Falar do próprio blog. E já que um ano se foi, fazer um balanço é bastante pertinente.
2006 fica marcado como o primeiro aniversário do blog. Também, a sua primeira crise. Por um longo período textos não surgiram. Escrever em ônibus e trens do metrô tornaram-se raridade, até chegar à extinção total. A crise persistiu. Ausência total de inspiração. E a descoberta que textos teriam que vir de fora para dentro, não mais ao contrário.
Obediente, o blog se calou. E esperou a chuva passar. Resignou-se. E aí o seu acerto. Foi então que a estiagem chegou. Textos começaram a aflorar. Sem abundância. Tudo com equilíbrio e tranqüilidade. Textos produzidos em momentos adequados.
Novos leitores o blog conquistou. Outros desistiram das visitas. Dinâmica normal. Pela primeira vez, o blog foi avaliado por uma profissional das letras. Uma professora. Explicações extraordinárias. Que ainda foram poucas. Outras virão.
O blog encontra-se em momento de satisfação. Contudo, sair, vivenciar, experimentar, são necessidades para mais textos. Há um projeto. Inspirado pela leitura de um livro. Ainda é segredo.
O fato é que o blog encontra-se em sua melhor fase. Não no que diz respeito à quantidade de textos. Tampouco à qualidade. Mas novos horizontes são vistos. E isto é alimento para a produção de mais textos. Assim segue o blog.
Neste último parágrafo, a confirmação da sinceridade. Assim permanecerá este blog, sincero. Este é o principal preceito. A intenção de emocionar, informar, entreter, permanece. Que bons textos sejam produzidos. E que boas leituras sejam feitas. Sinceramente.



Fale comigo

adelcir@gmail.com
k

fotos: Patrícia Crispim
c

Quem sou eu

Minha foto
Jornalista de formação. Cronista o tempo todo.

Histórico do blog

Opiniões&Crônicas surgiu em outubro de 2005. Uma sugestão de um grande amigo do autor, o fotógrafo Alan Davis. O nome não foi difícil escolher. A intenção era tecer textos que fossem mais opinativos. Mas ele acabou se caracterizando pelas crônicas.Uma vez ao ano o blog entre em férias. Exatos 30 dias em que alguns leitores navegam pelos arquivos.Antes de completar seu primeiro ano de vida, Opiniões&Crônicas passou por grave crise. Aventou-se a possibilidade de extingui-lo. Textos se escassearam. Como em quase todas as crises, serviu de fortalecimento, que voltou com força total. Agora, segue em sua melhor fase.Os textos em espanhol surgiram como uma forma de praticar o idioma. Algumas vezes o autor lança mão da língua hermana, sobretudo quando os textos são de caráter mais íntimo.Foi após o primeiro ano que o blog passou a ter o que sempre desejou: uma revisora. Profissional compente, formada em Letras, Lilian Guimarães abraçou a causa com a alma. Sua identificação foi imediata. E a sintonia entre revisora e autor é perfeita. Lilian agora é parte integrante do blog.Há leitores que possuem uma designação diferenciada. São os leitores-colaboradores. Atentos, dão dicas e apontam as falhas. Também tecem elogios e fazem torcida por novos textos. Eles são imprescindíveis para o seguir deste sincero blog.
O blog tem anseios. Objetivos. Segue ganhando leitores. Perdendo alguns. Possui uma comunidade no blog feita pelo noivo de uma amiga. E deseja caminhar sem procurar caminhos. Gosta de fazê-lo caminhando.

O mundo dos livros-Por Adalton César

Adalton César, economista, é um amante dos livros. Possuidor de uma biblioteca que não deixa de crescer, é orientador literário do autor deste blog. Opiniões&Crônicas o convidou para e a seção O mundo dos Livros. Aqui, comentários sobre Literatura, bem como indicações de livros. Este blog entende que ler é algo imprescindível. E que não dá para viver sem as palavras dos grandes autores.

Adalton indica

A Divina Comédia de Dante Alighieri (a primeira parte - O Inferno - é indispensável. O termo "divina" foi dado por Petrarca ao ler o livro).A odisséia de Homero (para alguns, o início da literatura)As aventuras do Sr. Pickwick de Charles Dickens (interessante e engraçadíssimo livro do maior retratista da Inglaterra dos anos da Revolução Industrial)consciência de Zeno de Italo Svevo (belíssima análise psicológica)Dom Quixote de Miguel de Cervantes (poético, engraçado, crítico; livro inigualável)Em busca do tempo perdido de Marcel Proust (considerado um livro difícil por alguns, mas uma das mais belas obras da literatura que conheço)Grande sertão: veredas de João Guimarães Rosa (não é sobre Minas ou sobre o sertão, é um livro sobre o mundo)O processo de Franz Kafka (sufocante, instigante, revoltante)Os irmãos Karamazov de Dostoiévski (soberbo)

"Em busca do tempo perdido"-Comentário de Adalton Cesar

Não é incomum que um sabor ou um aroma agradável nos levem de volta ao passado, aos dias de nossa infância ou adolescência, ou, no meu caso, a épocas não tão longínquas. Foi num desses momentos, diante de uma xícara fumegante de chá, saboreado com um biscoito qualquer, que Proust começou a relembrar os anos por ele vividos. Daí surgiu uma das mais belas obras de toda a literatura mundial, um livro simultaneamente poético e crítico. Uma obra-prima apaixonante. Para um contumaz saudosista como eu, a história contada por Proust tocou-me profundamente. Em essência, a vida do autor francês não difere muito de nossas pacatas vidas burguesas, com suas reuniões de família em datas específicas; as saídas de férias anuais em direção a locais aprazíveis e os encontros amorosos vividos nesses lugares; a entrada na adolescência e a descoberta da sexualidade; a perda de entes queridos e a eterna busca de sentido para uma existência percebida como vazia. São todos temas recorrentes no livro “Em busca do tempo perdido”. Mas, o que torna tão magnífico uma obra que trata de temas corriqueiros? Desconsiderando a simplificação exagerada da obra que fiz, é a forma como a narrativa proustiana se desenvolve, é a maneira poética que o autor lança mão para conduzir a história que dá a ela beleza inigualável. Mas, aos saudosistas (digo aqueles que capazes de ‘viver’ em todas as dimensões do tempo: cientes do presente, preocupados com o futuro, mas sempre com parte da atenção voltada para o passado, como um repositório de lições) a obra toca mais de perto, pois estes conseguem se pôr ao lado do autor e de, como ele, também recordar a velha tia ou a avó querida; de rememorar aquele amor de infância ou da adolescência de quem já nem lembramos mais as feições. Mas, não só de recordações é feita a obra. Nela, Proust aborda intrincadas questões filosóficas e existenciais (se é que toda questão filosófica não é si mesma uma questão existencial e vice-versa); discorre sobre o amor, sobre os costumes de sua época e acerca do progresso que vê chegar a passos largos, dissolvendo toda uma sociedade e criando outra; aborda o tempo e seu desenrolar e etc. Há quem aponte a lentidão do texto proustiano e a forma intrincada de sua escrita. Isso realmente é verdade, mas para ler Proust é preciso paciência, pois só ela nos permite perceber e apreciar toda a beleza contida nas suas muitas páginas.

Expediente - Conselho Editorial

Conselho
Adelcir Oliveira
Alan Davis



Revisão de textos
Adelcir Oliveira


Ex-revisores
Lilian Guimarães
Adalton César
v
c
b
c
c
c
l

opinioesecronicas@yahoo.com.br